sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

UM COMBOIO COM ASAS E O SEU MAQUINISTA ANTÓNIO FOURNIER



Emblema da Companhia dos Caminhos de Ferro do Monte


Um comboio com asas e o seu maquinista

Quando conheci o amigo António falamos sobre comboios. Sabia do seu novo projeto literário em que o Comboio do Monte seria o tema principal e ofereci-me para lhe enviar para Turim, algum do espólio que possuo sobre o mesmo. Expliquei-lhe que possuía bilhetes, fotografias, postais e livros que lhe poderiam ser úteis no seu trabalho. Foi assim que ficamos amigos durante muitos anos. Por vezes quando passava “em transito” por Lisboa vindo ou a caminho da Madeira, aproveitávamos para desenferrujar com as últimas novidades, presenteava-me com o seu último livro com uma dedicatória e um “boneco” antes de assinar que me fazia lembrar “O Santo” da série televisiva com o Roger Moore. Era um apaixonado pela história do famoso comboio e eu explicava-lhe que tinha vivido precisamente em frente da então Estação Central do Pombal. Ontem surgiu a triste noticia do seu desaparecimento precisamente no seu aniversário e dia de Natal. Quando cheguei a casa, fui à estante consultar e recordar as suas generosas lembranças. Nesta época festiva o comboio mágico e com umas grandes asas levou o seu maquinista para a sua última viagem cósmica. Que saudades irei ter da sua companhia. Foi um prazer imenso ter um amigo assim.
Até sempre António Fournier.         

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019