terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

A BANDA MUNICIPAL ESTÁ DE VOLTA!

A BANDA MUNICIPAL ESTÁ DE VOLTA!

Seria nos finais de Janeiro, que se começava a ouvir com maior regularidade o batuque, a afinação dos diversos instrumentos musicais que ali para os lados da Rua 31 de Janeiro, indicava que a Banda Municipal andava em ensaios para o Carnaval. O som ultrapassava os quintais, o velho casario paredes meias entre a Fábrica Hinton e a Ribeira de Santa Luzia. Pela tardinha, as modinhas aceleravam, tentando acertar o passo entre tubas e fagotes. Brevemente seria a semana de Carnaval e a banda faria a sua aparição pelas principais artérias funchalenses. 
Era o ribombar de bombos, instrumentos de sopro  os primeiros a chamar a atenção do povo que se agrupava para ver a banda passar. Por entre as venezianas, espreitava-se sem ser visto perante tamanha algazarra, barulheira que a uns incomodava e a outros faziam-se acompanhar pelo ritmo quente das modinhas. A criançada, essa perseguia os músicos até ao Jardim Municipal, onde o semi-circulo do palco estava engalanado com coloridas serpentinas e onde cadeiras previamente e estrategicamente colocadas, aguardavam os homens da banda.

Ei-los que chegam! Devidamente engalanados, imitando os índios do Brasil, com vastas e coloridas penas, máscaras e pinturas faciais capazes por em pé os cabelos dos mais pequenos, que fugindo de soslaio, olhos esbugalhados envoltos em mistério e medo. Indiferente, a Banda Municipal tocava o vasto programa nas pautas musicais. Era Carnaval, época de pregar sustos a pequenos e graúdos. E enquanto tocavam sem parar ritmos quentes , modinhas brasileiras, havia sempre alguém com alguma matreirice acompanhava no refrão: Mamãe eu quero…